Sexta-feira, 2 de Fevereiro de 2007

O Napoleão do Crime

CATS: Acto II, Cena 5 - Macavity, o Gato Mistério

    Demeter e Bombalurina dão-nos os pormenores mais sórdidos sobre Macavity

 

“Macavity, Macavity there’s no one like Macavity. He’s broken every human law, he breaks the law of gravity. His powers of levitation would make a fakir stare, and when you reach the scene of crime Macavity’s not there![1]

 

O vacilar sinistro das luzes e gargalhadas insanas assustam novamente os Jelicais. Um novo grito de pânico troa… MACAVITY!!! Skimbleshanks, Munkustrap, Bombalurina e os outros gatos mais velhos tentam proteger os mais novos enquanto farejam o ar na esperança de ser mais um falso alarme.

 

Mas desta vez… eis Macavity!!! Com várias gargalhadas assustadoras, o gato mistério aparece no topo da lixeira com todo o seu esplendor em tons de fogo e desgrenhado. Dirige-se ameaçadoramente à tribo Jelical, que se encolhe de medo. Enquanto os distrai/hipnotiza, os seus capangas[2] (os quais ainda não percebi bem se são gatos ou ratos) invadem a lixeira e raptam o Velho Deuteronomy.

 

Quando se apercebem, já é tarde demais. Macavity salta do alto e prepara-se para fustigar qualquer um que tente impedir o rapto do seu amado líder, e desaparece juntamente com os seus capangas. Tudo acontece com uma rapidez tal que deixa os Jelicais atarantados.

 

Ainda meios a tentar perceber o que aconteceu, e como que a acordar de um pesadelo, cada um deles esconde-se nos recantos da lixeira, ficando para trás apenas duas gatas que se aconchegam uma na outra. Bombalurina, a provocante gata vermelha, apoia protectoramente a gata mais nova, Demeter, cujo olhar atento e cheio de terror examina o vazio à sua volta.

 

Lentamente afastam-se uma da outra à medida que uma melodia sensual surge do nada, o que leva a gata de tons dourados a andar nervosamente às voltas no palco. Ao mesmo tempo Bombalurina senta-se serenamente enquanto escuta as palavras da amiga. Demeter canta sobre Macavity num tom quase assombrado enquanto dança numa combinação de movimentos que parecem derivados de dois sentimentos opostos: aflição e atracção.

 

Bombalurina levanta-se então e pelas suas próprias palavras e linguagem corporal conta-nos também sobre a sua experiência com o “gato cenourinha”, embora se sinta mais à vontade a desfiar as suas memórias. Ao aperceber-se do reaparecimento dos gatitos, esboça um sorriso provocante no seu rosto à medida que lhes dirige algumas palavras.

 

Rapidamente os solos tornam-se num dueto, revelando as linhas gerais do génio criminoso que é Macavity: um canalha, ordinário, ladrão, assassino e acima de tudo um artista na arte do desaparecimento. Todos os outros gatos se juntam numa dança sedutora e acusadora: "There was never a cat of such deceitfulness and suavity; you may see him in a bystreet, you may meet him in the square… But when a crime's discovered then: Macavity’s not there![3]"

 

De repente, Macavity reaparece de todos os cantos e esquinas. Quando se fixa no posto de Rum Tum Tugger, tenta tranquilizar os gatos, apontando para os seus capangas que ajudam o velho líder a juntar-se de novo à tribo. Macavity e os seus servos abandonam o palco.



 

Os Jelicais carinhosamente voltam a acolher o velho líder… até que Demeter começa a ficar irascível! Bombalurina fica apreensiva… as duas precipitam-se e tentam chamar a atenção dos outros para que algo de errado se passa… Finalmente, furiosa, Demeter ataca o Velho Deuteronomy e salta para as suas costas, rasgando o que afinal não passa de uma máscara felpuda, revelando que quem se fazia passar pelo líder era nada mais nada menos do que o próprio Macavity!

 

O gato mistério atira-se a Demeter e tenta arrastá-la para fugir com ela. Mas Munkustrap está por perto e, protectivo como sempre, agarra a gata seguindo-se um jogo do empurra até que Alonzo aparece e eleva Demeter acima da sua cabeça e a afasta de Macavity em segurança, enquanto Munkustrap impede o gato mauzão de se chegar a ela novamente.

 

Ambos entram numa luta renhida e Macavity acaba por conseguir afastar Munkustrap por uns momentos. Alonzo desafia então o gato desgrenhado e ao aperceber-se de que precisa de ajuda, Munkustrap tenta ajudá-lo, mas é atingido de tal maneira por Macavity que o deixa inconsciente. Restam então Alonzo e Macavity que lutam incansavelmente e parece que Macavity levará a melhor novamente, mas Alonzo dá-lhe uma patada que o obriga a baixar a guarda. Fartos do gato criminoso, a tribo reúne-se para o enfrentar e Macavity é forçado então a bater em retirada. Ele sobe para o carro e espalha o caos: ao som de um sorriso demente, Macavity pega em dois cabos de tensão e com um choque desaparece sem deixar rasto…

 

O palco fica envolto na mais profunda escuridão. Uma lanterna acende-se e rastreia tudo à volta da lixeira, mas a conclusão é inevitável: “Macavity não está aqui!” A luz fixa-se então numa cena extremamente carinhosa: Munkustrap a recuperado reencontra Demeter, certifica-se que ela está bem, e acabam por trocar ternas torrinhas.

 

De repente todos se lembram que o velho líder continua desaparecido: “Temos de encontrar o Velho Deuteronomy,” dizem todos em uníssono...



[1] “Macavity, Macavity, não há nenhum gato como o Macavity. Ele quebrou todas as leis humanas, ele quebra as leis da gravidade. Os seus poderes de levitação espantariam os faquires, e quando chegas à cena do crime, Macavity não está lá!”

[2] Em cada produção variam os gatos que interpretam os capangas do gato mistério. Da última vez que vi (9 Dezembro 2006), penso que Coricopat era um deles…

[3] “Nunca houve um gato simultaneamente tão falso e doce; pode-se vê-lo num beco, ou econtrá-lo numa praça… mas quando um crime é descoberto então o Macavity não está aí!”


sonhado por zia às 23:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006

Uma gata mal-amada...

CATS: Acto I, Cena 7 - Grizabella a Gata de Luxo

                    Grizabella, a gata mal amada, uma peça chave da história


Remark the cat who hesitates towards you in the light of the dawn which opens on her like a grin (…) who would ever suppose that that was Grizabella the Glamour Cat1 


A alegria de Rum é de curta duração quando, inesperadamente, uma gata velha e de aspecto duvidável faz a sua entrada meia hesitante no grande recreio dos gatos. Trata-se de Grizabella. Apesar de ser uma gata Jelical, Grizabella foi posta de lado pela tribo e apenas os toms e as queens mais novitas parecem querer ter algum contacto com ela, enquanto os outros gatos a repelem com patadas, gestos grosseiros e bufos de assustar qualquer um.


 

 


Grizabella abandonou há muitos anos a tribo para ir explorar o mundo exterior mas foi apanhada nas malhas da prostituição. Hoje em dia ela é vaiada, ohada com desdém e sem respeito nenhum pelos gatos mais velhos. Mas Grizabella tenta mesmo assim voltar. Porém é renegada: Munkustrap abre os seus braços num esforço de manter a tribo reunida atrás de si e afastada da velha queen. Ela chega-se até ele quase como se estivesse pronta para o confrontar, mas pára a um passo de distância, fita-o e com uma grande dose de amargura na voz entoa aquilo que ela sabe que os outros gatos vêem nela hoje em dia...


Demeter e Bombalurina juntas observam a velha gata e com desdém e ainda em certo ar de gozo (e um pouco de incrédulidade) apontam para a velha gata. As duas felinas falam do seu passado e reparam como parece quase impossível que aquela ali tenha sido Grizabella a gata de luxo? Ao ouvir falar do seu passado, Grizabella (cujo espírito já não andava pela mó de cima), engole o resto do orgulho que tem e procurando manter a pouca dignidade que ainda lhe resta, afasta-se da lixeira...


Grizabella é uma gata que já está muito velha, e à qual até o carteiro tira o boné: como é possível esta gata ainda estar viva? Voltará esta felina a tempo de reparar os erros do passado?

 


1 “Reparem na gata que se chega a ti hesitante à luz da alvorada que se abate sobre ela com um esgar (...) Quem jamais imaginaria que aquela é Grizabella a gata de luxo?”
sonhado por zia às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 9 de Dezembro de 2006

Problemas com baratas desordeiras???

CATS: Acto I, Cena 5 - A Velha Gata Roliça

               Demeter, Bombalurina e Jellylorum cantam sobre os feitos de Jennyanydots


"I have a Gumbie Cat in mind, her name is Jennyanydots. Her coat is of the tabby kind, with tiger stripes and leopard spots1"



A primeira candidata rola de dentro da mala de um carro ao ser apresentada por Munkustrap: é nada mais nada menos do que uma velha gata gorducha e anafada, chamada Jennyanydots. Conta-nos ele que esta queen é uma gata roliça que dorme e esperguiça-se o dia inteiro ou então faz nós nos cortinados da sala: “ela fica sentada, sentada, sentada e sentada e é isso que faz uma gata roliça!” Até a sua própria família pensa que ela não faz mais nada...


Mas há muito mais nesta gata do que a sua rolicidade. Com grandes sorrisos, e trejeitos extremamente alegres e animados, Jellylorum, Demeter e Bombalurina não hesitam em revelar-nos que “quando a azáfama do dia passa, é então que começa o verdadeiro trabalho da gata roliça”, e referem alguns dos talentos escondidos desta gata... que afinal de contas de gorda não tem nada! Durante a noite ela ganha genica e... ensina maneiras aos ratos: como se devem comportar para além de aulas de música, croché e tapeçaria. Alguns dos gatos mais novitos desencantam umas máscaras hilariosas e acabam por desempenhar o papel de ratos a serem ensinados pela Jenny.


Mas esta avózinha não se fica por aqui. Preocupada com baratas desocupadas que se tornam desordeiras, ela ensina-as tal e qual como se fossem escuteiros: dã-lhes um propósito na vida e boas acções para fazer. As baratas aparecem então em palco representadas pela maioria dos felinos com uns disfarces ainda mais engraçados do que os dos ratos.


Será que já chega? Não! A Jennyanydots é definitivamente uma gata com vários trunfos na manga! Ela até ensinou as baratas a fazerem sapateado! Ao desembaraçar-se do seu pesado pêlo, Jenny junta-se às baratas numa demonstração de uma aula de sapateado animada e perfeitamente coordenada que nos faz bater o pé e nos dá uma vontade de dançar enorme. A certa altura uma das baratas (um gato, claro) sai da formação e acaba por levar uma grande reprimenda. Mais tarde, ele chega-se à Jenny e imita o acto de a querer espetar com o seu garfo. Mas Jenny conhece-os e leva a melhor, despachando o insubordinado de volta ao seu lugar.



No fim, tanto o público como o resto da tribo tiram o chapéu a esta gata de quem todos parecem gostar imenso2. Mas, de repente... o silêncio é rasgado por um miar dengoso e seguro de si...




1 "Tenho uma gata roliça em mente, o seu nome é Jennyanydots. O seu pêlo é do género malhado, com riscas à tigre e pintas à leopardo"

 

2 28 de Outubro: no fim da sua canção, Jennyanydots diz normalmente “Thank you my dears!”... desta vez, e espero que mais pessoas o tenham notado, disse “Obrigada my dears!”








sonhado por zia às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim

:::pesquisar aishitenight:::

 

:::tags:::

Todas as tags deste blog

:::luas recentes:::

O Napoleão do Crime

Uma gata mal-amada...

Problemas com baratas des...

:::noites passadas:::

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

::: links :::

Anastasia
Anime News Network
Astérix et Obélix
BeeHive
Best Anime
Blog da Pimentinha
BRB Internacional
Broadway
Broadway - The Lion King
Catedral
Christian Kurrat
Chuviscos
Misteriosas Cidades d'Ouro
Disney
Disney on Broadway
Do What You Dream
Door to Fantasia
Kemet
Kiss Me Licia
Liquid Experience
Me, Myself and I
Movimentum...
Movimentum 2...
Mulher dos 50 aos 60
NASA
National Geographic
Niekonczaca Sie Opowiesc
per-Bast
Photograhy Directory
The NeverEnding Story
The Temple of Bast
The Universe of Shoujo Manga
Timor Aid
Tintim
TV Series
TV Wunschliste

:::favoritos:::

A nova versão do YMCA!!! ...

Respeito precisa-se...

Que a memória viva para s...

Pouca-terra, pouca-terra....

Fantasmas do passado...

De gatos malandros e caix...

Um gato do contra...

Os Jelicais podem...

Problemas com baratas des...

Hamlet para todos!

:::tags:::

Todas as tags deste blog

subscrever feeds