8 comentários:
De vanessa Duarte a 18 de Junho de 2007 às 14:11
Gostei imenso do blog...ta mxm fixe...Levamos a pensar o k vai ser de nós quando as pexoas k amamos desaparecerem sem sequer se despedirem...e ixo k mais doi...n haver despedida...e dpois pgtamo-nos o porquê de n termos aproveitado todos os momentos que paxamos com elas...O meu avô tb n e uma pesssoa facil...e nao se da mt bem com a mnha mae...e isso custa-me imenso...ha dias em k estou farta dele...mas ele tem um problema de coração e ja lhe deram ataques algumas vezes...tnh smp medo k um dia seja de vez...e aí, mesmo depois de tudo, sei k vou sentir mt a falta dele...hoje fixext -me perceber k tnh de aproveitar todos os momentos k tenho com ele...as fotos fixeram me chorar!só espero k superes isto.bjinhos e forxa
De nokinhas a 30 de Janeiro de 2007 às 18:02
Sónia
Fiquei hoje a conhecer-te melhor e considero-te, sem sombra de dúvida, uma jovem excepcional. Parabéns pelo teu blogue.
A partida dos nossos, embora inevitável e, desde sempre o sabemos, deixa-nos sempre tristeza e dor, mas o tempo é o melhor remédio para amenizar, não esquecer, o nosso sofrimento. Desejo tudo de bom para ti e para os teus pais. Não vou esquecer-me do Kiko: uma festinha para ele, fiel companheiro de tantos anos.
Pare ti um grande beijinho

Leonor Costa
De M.F. a 19 de Janeiro de 2007 às 23:57
Sónia
Realmente, quem amamos de verdade nunca parte do nosso coração. E tu mostra-lo bem nesta bela e sentida apresentação.
Tens uma família muito especial que nenhuma distância será capaz de desunir.
Nesta jornada complicada que é vida, já levas na bagagem o imprescindível para alcançares o sucesso, a felicidade e a paz interior; muito amor implantado dentro de ti.
Beijinho

*Escreves muito bem. Com paixão.
Parabéns pelo belo trabalho do “Cats”. (tenho acompanhado)
Nunca desistas dos sonhos, Zia.
A vida sem estes aflige.
De Adérito Machado a 19 de Janeiro de 2007 às 13:11
É uma situação que passa por todos, mais cedo ou mais tarde, mas dói sempre. Li o post que me comoveu muito, não conhecia o teu avó ...mas conheço o Zé Gomes, vi igualmente o vídeo com muita atenção e comoção, por vezes vemos e sentimos nas imagens e nas palavras escritas outros que nos foram queridos... coragem a todos. Adérito Machado
De Milú Gomes a 18 de Janeiro de 2007 às 21:40
Tudo no universo sofre a lei da transformação...As coisas nascem, crescem, desaparecem e retornam, com o mesmo movimento infinito de AMOR...as coisas nascem, crescem, desaparecem e voltam, com o mesmo movimento infinito de AMOR.. as coisas falam eternamente umas com as outras, sem terem em conta o Tempo nem o Espaço.
(Sabedoria Ameríndia)
Obrigada pelo teu Amor.
Beijos,
Mamã
De maria.mamede@sapo.pt a 18 de Janeiro de 2007 às 12:39
Olá Sónia, muito bem! Muito bem mesmo!
Gostei deste "desabafo", que está bonito e que tem, para além do mérito de fazer "falar" sobre tudo isto, também te faz exorcizar as dores, ajudando ainda aos teus Pais a exocizarem as deles.

Parabéns pelo trabalho.
Beijos

Maria Mamede
De wind a 18 de Janeiro de 2007 às 11:54
Bonita homenagem que fizeste aos teus!
És uma pessoa especial:)
Beijos
De José Gomes a 18 de Janeiro de 2007 às 09:14
Não seo o que dizer, filha.
Foi uma semana para esquecer... o partir do teu avô deixou-nos a todos sem palavras. Foi um "baque", uma espécie de murro no estômago que me deixou como que anestesiado.
Depois o susto que nos pregou a tua mãe... e para completar a roda da vida o susto que nos estás a pregar!
O meu Pai partiu em paz, no embalo do nosso carinho e no conforto do nosso amor.
Deixemo-lo seguir o seu Caminho...
O teu trabalho, apesar de ter sido feito em cima dos joelhos, mostra o teucarinho e o teu amor pelo teu avô... e ele esteja onde estiver, está contente pela homenagem que lhe fizeste.
Um beijo, filhota e obrigado.
JG

Comentar post