Sábado, 23 de Dezembro de 2006

De gatos malandros e caixinhas de recordações

CATS: Acto II, Cena 1 - Os Momentos de Felicidade/Memória
                  Jemima, ajudada pelos poderes de Coricopat e Tantomile
                                     leva-nos a um momento mágico

 

 

“The past experience revived in the meaning is not the experience of one life only but of many generations – not forgetting something that is probably quite ineffable1

 

Depois do baile Jelical, os gatos vão-se juntando, um a um, ao Velho Deuteronomy. Eles vêm de todos os lados e às pingas: pelo palco (os dois primeiros a aparecerem são Coricopat e Tantomile); pela porta/cortina do lado esquerdo à beira do palco (Cassandra) ou então pelo meio do público (Skimbleshanks).

 

No dia 28 de Outubro, durante o intervalo fiquei a conversar com um dos rapazes (Paulo) que trabalhava no Coliseu dos Recreios. De repente... abriu-se a cortina de rompante... e de lá “saltou” (ou pelo menos pareceu-me) uma gata! Qual a minha reacção? Um salto de susto e um berro tal que ainda hoje ecoa nos meus ouvidos... Olho novamente para a entrada, e que vejo eu?! Uma gata exótica a olhar, perplexa, para mim! Era Cassandra (juro que é Egípcia) e as únicas palavras que consegui articular foram “I’m sorry...” ainda com o coração aos pulos.

 

Ela continuou com o seu ar interrogativo a olhar para mim, como se dissesse “então o que foi isso?!?” e passado breves momentos, que me pareceram uma eternidade pelo seu olhar inquisitivo, ela lá se dirigiu para o palco... embora fosse suposto ir interagir com o público. Coitada, às tantas assustei-a eu também! Que vergonha!!!


             John McManus, Skimbleshanks do elenco da UK Tour 2006-07

 

Depois da Cassandra voltar para o palco, lá continuei à conversa com o moçoilo, quando de repente ouço um miar... espera um minuto!!! Eu reconheceria aquele miar em qualquer lado do mundo! Olho para trás e o Skimbleshanks está de roda dos meus pais, todo deliciado pois o meu pai mia-lhe e a minha mãe faz-lhe festas. Logicamente os meus pais estavam tão melados quanto o Skimble... Eu virei-me para o Paulo e disse-lhe “Pois, estás a ver a minha sorte... quando devia estar no meu lugar para ter contacto com os gatos... não, estou aqui!” Bem ao menos os meus pais estavam a divertir-se e o resto das pessoas mais perto que estavam a assistir à cena riam-se um bocado, porque realmente foi fantástico e engraçado! E eu confesso que fiquei com uns ciúmes jeitositos!

 

Mas nem sequer tive tempo para desfrutar desses ciúmes. Enquanto converso com o Paulo, de repente, sinto algo a roçar-me nas pernas... “Mas... o que é isto?!?”, pensei eu. Olhei para baixo e estava o Skimble à volta das minhas pernas, todo dengoso, tal e qual um gato, a roçar-se nas minhas pernas... uma ternura incrível! Simplesmente fantástico! Eu, feita parva, continuei à conversa enquanto me ria... quem pareceu não gostar muito da atenção que dei à cena (ou melhor, falta dela) foi o próprio Skimble! Como se estivesse chateado por eu nada lhe ligar, pega e pimba! Manda-me um encontrão nas pernas com o corpo e vai ligeirinho para o palco!

 

Eu, que quase caí (obrigada Paulo), espatifei-me a rir mas penso que foi do nervoso que senti por ouvir a maior parte do Coliseu a rir já que tinham assistido à cena em directo e a cores! Fiquei tão vermelha... e cá com uma raivinha! Mas confesso que no fim achei um piadão... embora fique no ar uma vingançazinha que devo ao fabuloso Skimble – John McManus, quando te apanhar digo-te das boas!

 

Bem, demorou ainda um bocadito até eu voltar ao meu lugar (na verdade o Velho Deut já estava a cantar quando me sentei), mas quando o fiz estava cá com um espírito...

 

O segundo acto começou então com todos os gatos reunidos à volta do Velho Deuteronomy, num momento de repouso relaxante. O próximo candidato aparece acompanhado por Jellylorum que o ajudou a juntar-se ao grupo. Trata-se de Gus, do qual falaremos na próxima cena. Assim que se senta, Deut recita para os Jelicais (e porque não para nós também) num tom reflectivo o poema chamado “Os Momentos da Felicidade”.

 

Nas suas sábias palavras, nós “vivemos a experiência, mas evitamos o seu significado, e o abordar do significado poder restaurar a experiência numa outra forma além de qualquer significado que possamos dar à felicidade”. Deuteronomy parece tentar ensinar algo aos gatos, embora para já eles ainda não percebam o quê. De lembrar que no fim do primeiro acto, o velhote foi a única testemunha da dor e vontade de ser aceite de Grizabella. Provavelmente ele está a tentar abrir os olhos dos Jelicais.

 

Como a mente dos gatos parece não estar disposta a abrir-se para esta mensagem, Deut embarca numa nova táctica: telepaticamente manda uma mensagem a qual é recebida inicialmente por Coricopat. Este em sinal de que a havia recebido, põe-se de gatas a fitar a audiência e levanta a mão direita e estremece-a até Tantomile receber a mensagem, pôr-se de joelhos e finalmente agarrar a mão do irmão... Então Jemima agarrou a mão de Tantomile e levantou-se para cantar a mensagem que Deut acabava de lhes passar: Jemima levou várias pessoas da audiência às lágrimas ao entoar angelicalmente “Memory”2. Ela disse aos Jelicais para olharem para a lua e deixarem as suas recordações levá-los numa viagem até a uma altura em que eles eram completamente felizes... e então quiçá eles consigam encontrar um novo significado nas suas vidas que derive dessa memória.


 
             Jemima, Tantomile e Coricopat ainda estupfactos pelos momentos
                                            que acabaram de viver...

 

Assim que Jemima acabou de cantar, o contacto quebrou-se e os três gatos olharam uns para os outros tentando perceber o que tinha acabado de acontecer. Mas a mensagem tinha finalmente passado a barreira do incompreensível e todos os outros Jelicais tentavam interpretá-la enquanto faziam ressoar as palavras que Jemima acabava de lhes proferir. E quando parece que realmente tinham atingido o núcleo fulcral da mensagem, todos se levantam e... o momento passou... Perderam a sua concentração e começam a cirandar novamente pela lixeira...

 

E chega então a vez de Gus ser conduzido até ao centro do palco...

 

 



1 “A experiência do passado restaurada pela intenção não é a experiência de uma vida apenas mas de muitas gerações – não esquecendo algo que é provavelmente completamente inexplicável”
2 A 7 de Outubro, a emoção de se ouvir novamente a famosa melodia de “Memory” cantada ao vivo foi recebida com um forte aplauso... bem merecido! Jemima (Louise Barratt) tem uma voz doce e potente...
sonhado por zia às 05:51
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 19 de Dezembro de 2006

Silêncio... nem um som da calçada...

CATS: Acto I, Cena 13 - Grizabella: Memória

             Grizabella dança e canta “Memory” observada pelo líder Jelical

 

“Memory all alone in the moonlight I can smile at the old days, I was beautiful then. I remember the time I knew what happiness was, let the memory live again…1

 

Caminhando cautelosamente até à lixeira agora serena, a velha Gata de Luxo reaparece, desejando reunir-se à sua família perdida... Mas a maior parte da tribo reage exactamente como da primeira vez, vaiando-a e virando-lhe as costas. Os gatitos mais novos parecem fazer uma aposta em quem se conseguirá aproximar da velha queen e Carbucketty meneia-se prepotentemente até Grizabella como se lhe fosse estender a mão, levando-a a aproximar-se dele apenas para receber um arranhão e mais um bufo antes do jovem voltar para o seu grupo que parece divertir-se com o erro dela.

 

 

 

                          


Algumas das gatitas, principalmente Victoria, Demeter e Jemina, passeiam-se por perto como quem tenta apanhar um bom vislumbre de Grizabella, e com cuidado tentam chegar-se à beira apenas para serem paradas e afastadas pelos mais velhos que as estão a “proteger” pelos mais velhos. Algumas das palavras que Grizabella entoou na sua aparição prévia ecoam pelas vozes de Jellylorum e Jemima, esta última olhando para a velha gata fustigada pela vida com uma fascinação quase mórbida. Sem demoras, a gatinha é de novo afastada de vez de Grizabella.

 

A velha gata é deixada a sós, no meio do palco, entregue às suas mágoas. Ela tenta dançar tal qual os Jelicais dançaram ainda há tão pouco tempo, mas logo se apercebe de que já não é capaz. Ela continua a tentar até atingir o ponto em que a frustação e desapontamento são tais que com um triste suspiro ela parece estar no limiar das suas forças. Mas ela pára por uns momentos e com uma voz de choro canta sobre as suas memórias...

 

Grizabella canta a sua dor sozinha ao luar, sorrindo aos velhos dias... outrora ela foi bonita, e lembra‑se ainda de uma época em que sabia o que era a felicidade. Só lhe resta esperar que essa memória possa viver novamente. Quando termina, ela parece completamente desprovida de forças e dona de uma tristeza de cortar a respiração.

 

Embora todos os gatos tenham abandonado o recinto, o Velho Deuteronomy ficou sentado a vê-la e a ouvi‑la. Mas a velha gata não o viu e embora ele tentasse chegar até ela, Grizabella desapontada e mais uma vez renegada esgueira-se e desaparece na noite...

 

“Meia-noite, nem um som da calçada
Perdeu a lua a memória? Ela sorri p’ra si mesma.
À luz do lampião as folhas definhadas juntam-se a meus pés
Enquanto o vento se lamenta.
 

Cada lampião transmite um agoiro fatalista.
Alguém resmunga, o lampião goteja,
E em breve será dia...

 

INTERVALO



1 “Memória, abandonada ao luar, ainda rio dos bons tempos, como era bela então. Recordo quando ainda sabia o que era a felicidade, deixemos que as recordações revivam...”

sonhado por zia às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2006

8 minutos de cortar a respiração...

CATS: Acto I, Cena 12 - O Baile Jelical

                                                   O Baile Jelical

 

“Until the Jellicle Moon appears we make our toilette and take our repose: Jellicles wash behind their ears, Jellicles dry between their toes. Jellicle cats are white and black, Jellicle cats are of moderate size, Jellicles jump like a jumping jack, Jellicles have moonlit eyes1"


Após alguns momentos de silêncio, este é renegado e sons calmos e melodiosos começam a chegar-nos aos ouvidos, ao mesmo tempo que Victoria e Demeter voltam, a medo, para a lixeira. Está na hora do baile Jelical2 pelo qual tanto esperaram, a grande dança anual onde todos os gatos celebram a sua “Jelicalidade” com a lua a brilhar com todo o seu explerendor. As forças que pouparam durante o ano podem ser agora usadas ao máximo nas suas danças angelicais, profundas e contorcionistas. A felicidade está no ar, e o amor também.

 

Um a um, os gatos vão-se juntando novamente, embora ainda com alguma precaução, notável nas suas vozes que cuidadosamente começam a ganhar mais vida ao darem início ao cântico onde revelam um bocado mais o que é um gato Jelical, convidando todos aqueles que ainda não estão ali a se juntarem a eles...

 

Esta cena é uma sequência de dança longa (cerca de quase 9 minutos), bastante arrojada e complexa. O seu ritmo e o seu estado de espírito mudam constantemente e se bem que de vez em quando apenas alguns gatos fazem parte da rotina, a verdade é que ocasionalmente o palco está repleto de gatos: todos os Jelicais estão a dançar para nós, excepto o Velho Deuteronomy que observa omnipotentemente desde o pneu que lhe serve de poiso, isto é, quando não está a passear pela audiência a verificar se estamos todos com atenção e a gostar do espetáculo que eles estão a dar-nos.

 

Mais ao menos a meio da dança há uma trégua quando todos os gatos se juntam a tirar um pequeno cochilo. Ao se reunirem, mais uma vez a queen branca é deixada um tanto ao quanto entregue a si própria... Plato, a medo, dá uns passos na sua direcção. De início ambos se cheiram temporariamente e esfregam-se um no outro em sinal de carinho. O tom levanta-a acima da sua cabeça e acaricia-a algumas vezes numa pequena sequência de dança3...




Depois desta sequência, o baile ganha uma energia muito viva, especialmente depois de Quaxo, Coricopat e Tantomile denunciarem a presença oculta de Grizabella que observa-os atentamente. Todos eriçados, os Jelicais soam bufos de todo o lado e rapidamente fazem com que a gata de olhar triste desapareça de novo, e o baile continua a um ritmo vertiginoso. No fim os gatos saltam em direcção da audiência (mas sem sair do palco) à medida que a música “salta” também e as luzes acendem-se.

 

A ovação é geral...





1 “Até à lua Jelical aparecer tratamos da nossa toilette e descansamos: os Jelicais lavam detrás das orelhas, os Jelicais secam entre os dedos. Os gatos Jelicais são brancos e pretos, os gatos Jelicais são de tamanho módico, os Jelicais saltam como um acrobata, os Jelicais têm olhos enluarados”

2 Não posso deixar de dizer: este é um ponto extremamente tocante do espectáculo. Aqui dança-se com destreza, há explosão de luz e de cores, há gatos que se apaixonam e muito inocentemente e com um carinho extremo representam um acasalamento apoiado por todos. Não há um único gato que não participe com alegria e até o Velho Deuteronomy dança como pode. Há saltos espectaculares, elevações no ar, todos aqueles actores parecem feitos de borracha, parecem não faltar efeitos especiais, mas não... é mesmo a agelidade e a desenvoltura desta equipa soberba. Parabéns!


3 Algumas pessoas apelidam este momento de “A Perda de Inocência”, sinceramente é um momento bastante tocante e mesmo muito querido.

sonhado por zia às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim

:::pesquisar aishitenight:::

 

:::tags:::

Todas as tags deste blog

:::luas recentes:::

Será que ainda me lembro?

Dia da Criança...

A Viagem...

Greve Geral

Bristol - 9 de Dezembro d...

A nova versão do YMCA!!! ...

Macavity - The Mistery Ca...

Atestados de Burrice...

"Eu não gosto de carne de...

Hamlet para todos!

Guerra e Paz para todos!

Feliz Dia Mundial do Teat...

O estado negro da educaçã...

Tartaruga suicida... e fu...

Memória...

Tudo está bem quando acab...

Respeito precisa-se...

A Escolha Jelical

Que a memória viva para s...

Acreditas em magia?!?

O Napoleão do Crime

Never Gone... Never Far.....

Pouca-terra, pouca-terra....

Fantasmas do passado...

Um gato especial

De gatos malandros e caix...

Silêncio... nem um som da...

8 minutos de cortar a res...

Ladrar ou não ladrar, eis...

O gato das 7 vidas...

:::noites passadas:::

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

::: links :::

Anastasia
Anime News Network
Astérix et Obélix
BeeHive
Best Anime
Blog da Pimentinha
BRB Internacional
Broadway
Broadway - The Lion King
Catedral
Christian Kurrat
Chuviscos
Misteriosas Cidades d'Ouro
Disney
Disney on Broadway
Do What You Dream
Door to Fantasia
Kemet
Kiss Me Licia
Liquid Experience
Me, Myself and I
Movimentum...
Movimentum 2...
Mulher dos 50 aos 60
NASA
National Geographic
Niekonczaca Sie Opowiesc
per-Bast
Photograhy Directory
The NeverEnding Story
The Temple of Bast
The Universe of Shoujo Manga
Timor Aid
Tintim
TV Series
TV Wunschliste

:::favoritos:::

A nova versão do YMCA!!! ...

Respeito precisa-se...

Que a memória viva para s...

Pouca-terra, pouca-terra....

Fantasmas do passado...

De gatos malandros e caix...

Um gato do contra...

Os Jelicais podem...

Problemas com baratas des...

Hamlet para todos!

:::tags:::

Todas as tags deste blog

subscrever feeds