Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

Os Jelicais podem...

CATS: Acto I, Cena 2 - Canções Jelicais para Gatos Jelicais

                Coricopat, Tantomile e Munkustrap (atrás) juntam-se à tribo Jelical...

 

“Are you blind when you’re born? Can you see in the dark? (…) Because Jellicles are and Jellicles do (…) Are you tense when you sense there’s a storm in the air? (…) Jellicles do and Jellicles can (…)1

 

Dois raios de luz rasgam a lixeira escurecida quando se ouve um carro a passar por perto. Uma inocente queen amarela e negra, Demeter, que sorrateiramente entrava na lixeira é apanhada de surpresa e, assustada, pára... bufa... e esgueira-se para fora do alcance das luzes, encolhendo-se de medo.

 

Quando o carro se afasta, sons musicais recomeçam suavemente. Um gato cinzento malhado, Munkustrap, aparece seguido por uma gata com ar exótico, Cassandra, que assume uma posição que lembra as esfinges egípcias. Lá de cima espreita um gato cenourinha, Skimbleshanks, e Carbuckety desce um espaldar. Chegou a vez de Coricopat e Tantomile (gémeos idênticos, intuitivos e portadores de poderes psíquicos), extremamente ágeis que, em perfeita coordenação de movimentos, juntam-se aos seus amigos. Astuto e sedutor, Rum Tum Tugger esgueira-se entre as barras enquanto Demeter deixa, finalmente, o seu esconderijo...

 

Vagarosamente, Munkustrap gatinha até próximo dos gémeos e ergue-se para cantar a primeira pergunta do musical: “És cego à nascença?” De início (qual gato que se preze!), mostram-se desconfiados e relutantes, mas à medida que ficam mais destemidos, cantam e dançam garbosamente: é uma trova sobre quem são e sobre as suas façanhas onde acabam por nos dar um vislumbre das suas origens e, assim, ficamos a conhecer o verdadeiro eu de cada um dos gatos Jelicais. Em poucos segundos, o palco enche-se de 26 gatos que aparecem aquando da sua deixa ou então em grupos, cantando as suas questões retóricas até chegarem à conclusão “Se estavas [com os faraós] e se és [esbelto como um lince], então és um Gato Jelical!”.



 

Em jeito de celebração os felinos demonstram os seus dotes e atributos e todos os gatos têm os seus merecidos "momentos de glória". Todavia, nem todos os espectadores reconhecerão que estes felinos fazem parte da mitologia egípcia, mais propriamente do culto a Bast a deusa Gata: “A mística divindade de felinidade assegurada, pela catedral ecoa felicidade, Vida à Gata imortal!



           Gus e Munkustrap apercebem-se de alguém que não sabe o que é um gato Jelical.
                      (Alonzo à esquerda, Jennyanydots à direita e Bill Bailey atrás)


Mas sobrepõe-se um problema maior: algumas pessoas são simplesmente... hmmm distraídas? Depois de toda aquela apresentação e revelações, como é possível ainda haver alguém que não tenha compreendido? Um tom novito (Aspargus) arrasta-se até à frente do palco e aponta para um infeliz... logo-logo a atenção de toda a tribo é atraída para este azarado. Todos o olham incredulos: “Será que estes olhos veem mesmo alguém que nunca tenha ouvido falar de um gato Jelical?

 

O que é um gato Jelical? O que é um gato Jelical?





1 "És cego à nascença? Consegues ver no escuro? (...) Pois os Jelicais são e os Jelicais conseguem (...) Ficas tenso quando sentes uma tempestade no ar? (...) Pois os Jelicais ficam e os Jelicais conseguem (...)".

sinto-me:
sonhado por zia às 17:36
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sábado, 11 de Novembro de 2006

Ser ou não ser flashada?!?

CATS: Acto I, Cena 1 - Abertura...


Cenário da lixeira do Cats em Lisboa a 28 de Outubro


“Meia-noite. Nem um som na rua. De repente, uma explosão de música e luzes revelam uma lixeira enorme.”

 

As luzes apagam-se. Os primeiros acordes soam. Automaticamente, o meu corpo fica com pele de galinha. Pequenas luzes piscam. Cintilantes, tal qual as estrelas que no céu vão aparecendo com o cair da noite. Música latejante, serena de início mas ganhando energia à medida que os seus crescendos vão soando. A música acompanha as luzes que vão cintilando aqui e ali... É criada uma nova atmosfera e somos transportados até um novo mundo. À nossa frente já não existe um palco, mas sim uma lixeira enorme...

 

Mas... o que é aquilo? De repente vê-se uma flashada de luz a mover-se, sentimos uma patada amigável no braço... eu dou um salto e um grito abafado! Viro-me e... será possível?! Estou mesmo a ver uns olhos de gato a mirar-me no escuro?! Com leveza e delicadeza, avança até ficar frente a frente comigo. Faz uma pausa e fica a observar-me com um sorriso atrevido: um exemplar perfeito de felinidade extrovertida...

 

O gato fica ali parado a observar-me durante um momento, a cabeça inclinada inquisitivamente, uns grandes olhos e um narizito que se arrebita a farejar a peça humana à sua frente, como quem pensa “hmmm... mas o que é isto?” Olha novamente, e depois foge para apanhar mais umas vítimas desprevenidas, umas filas mais à frente1.

 

Depois de umas risadinhas, olho à volta, e vários gatos andam de um lado para o outro na audiência. No palco, alguns gatos dão patadinhas amigáveis uns aos outro; outros erguem-se para sentir o cheiro destes humanos que lhes invadiram o território. Outros ainda olham atentamente, aparentemente fascinados pelas pessoas sentadas à sua volta.

 

Finalmente, todos os gatos conseguem esgueirar-se até ao palco à medida que os crescendos da música atigem o seu auge. E de repente... faz-se silêncio... e todos os gatos desaparecem... A sala escurece... O silêncio e a escuridão está de volta...

 

O palco do Coliseu dos Recreios está prestes a encher-se de felinos nesta noite mágica e única em que a tribo Jelical se reúne para escolher o felino que terá o privilégio de poder renascer para uma nova vida.



1 7 de Outubro de 2006: apanhei um susto de morte quando no meio da escuridão uns olhos enormes e luminosos me encontraram e fitaram os meus: era um tom (gato) ou uma queen (gata).

 

28 de Outubro de 2006: apesar de estar a contar que os gatos viessem, acabei na mesma por me assustar... é que agora eles apanharam-me a mim e à minha mãe de todos os lados: uns vinham pela direita, outros pela esquerda e um que vinha pelo corredor do meio resolveu juntar-se a estes dois... quando demos por ela, tínhamos 3 gatos a dar-nos flashadas e a tirarem-nos as medidas!


 


sinto-me: sonolenta e musical...
música: Overture; Cats - The Musical
sonhado por zia às 00:50
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Novembro de 2006

Cats no Coliseu dos Recreios

 

Sábado, 7 de Outubro de 2006 – 16:00

Saímos do Porto às 10 e 30 da manhã para chegarmos a Lisboa, conseguirmos almoçar nas calmas e ainda termos tempo suficiente para nos dirigirmos ao Coliseu dos Recreios que leva à cena o musical de Andrew Lloyd Webber, que a Really Useful Group (trupe Britânica) trouxe a Portugal: o CATS. É a segunda vez que o espectáculo foi apresentado em Portugal (a primeira em 2004), mas apenas desta vez consegui ir vê-lo, e apesar de também ter vindo ao Coliseu do Porto, quis o destino que apenas conseguisse vê-lo em Lisboa...

 

Depois de ver o Rei Leão na Broadway (3 vezes), e desde a desilusão do Mamma Mia, não tinha muitas expectativas em relação ao Cats, apesar de realmente o querer ver. Porém, nos dias que antecederam o espectáculo, vimos o DVD em... 3 dias (!!!) já que era uma seca autêntica! Durante a viagem eu só pensava... mais valia vendermos os bilhetes... e sei que a minha mãe pensava mais ao menos o mesmo...

 

Sábado, 28 de Outubro de 2006 – 21:30

Mas... o CATS, desde o início prendeu e não foi pouco: até hoje ainda me ronrona suavemente nos ouvidos dia e noite... Miau! Purrrrrfect… Daí ter voltado novamente a Lisboa para ver o último espectáculo que estes gatos maravilhosos deram em Portugal.

 

Durante as próximas postagens vou relatar o que vi, como vi, como interpretei e o que aprendi nas duas sessões a que assisti. Durante os dois espectáculos tive experiências felinas, as quais vou relatar aqui também, em rodapé.

 

Na primeira vez, fui com a minha mãe e uma amiga minha, a Iva. Apesar de termos ficado no meio da plateia, achámos os nossos lugares simplesmente perfeitos (o meu era o K 21)! Logicamente o CATS também...

 

Para a última apresentação, conseguimos arranjar, na mesma fila, uns lugares estratégicos: mesmo em frente às escadas por onde os gatos subiam e desciam e à beira de uma porta que eles também usavam (fiquei no A 21 desta vez). Cabeças à frente! Desta vez só se fossem mesmo as dos gatitos!

 

Eu e a minha mãe conseguimos finalmente (à última da hora) arrastar o meu pai que apesar de ter gostado do espectáculo, me desiludiu um bocado pois pensei que ele iria ficar mais entusiasmado, embora me pareça que ele se tem entusiasmado cada vez mais há medida que o tempo vai passando.

 

A experiência de ambas as actuações foi... delirante! Mas da segunda vez já vi com outros olhos e cantei com outra alma. Parece-me que a mudança de actores necessária para este espectáculo não poderia ter vindo em melhor altura, já que o novo membro permitiu um final em grande a esta digressão, com mais vida, destreza e... uma voz que lhe vinha do fundo da alma[1]!

 

Costuma-se dizer que o vinho do Porto melhora com o passar dos anos... pois bem, creio que o mesmo se passa com o CATS: já lá vão cerca de 25 anos desde a primeira actuação, e pelo que tenho vindo a ver... tem envelhecido bem melhor que o vinho do Porto!



[1] A 7 de Outubro de 2006 o cast não teve alteração, mas a 28 de Outubro de 2006, a personagem de Quaxo/Mr. Mistoffelees foi representada por um actor incrivelmente à altura daquele gato mágico: Jean-Claude Pelletier. A meu ver, JC portou-se muito melhor do que o actor que normalmente interpretava esta personagem... Um erro de casting, digo eu!?

sinto-me:
sonhado por zia às 02:58
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

mais sobre mim

:::pesquisar aishitenight:::

 

:::tags:::

Todas as tags deste blog

:::luas recentes:::

Será que ainda me lembro?

Dia da Criança...

A Viagem...

Greve Geral

Bristol - 9 de Dezembro d...

A nova versão do YMCA!!! ...

Macavity - The Mistery Ca...

Atestados de Burrice...

"Eu não gosto de carne de...

Hamlet para todos!

Guerra e Paz para todos!

Feliz Dia Mundial do Teat...

O estado negro da educaçã...

Tartaruga suicida... e fu...

Memória...

Tudo está bem quando acab...

Respeito precisa-se...

A Escolha Jelical

Que a memória viva para s...

Acreditas em magia?!?

O Napoleão do Crime

Never Gone... Never Far.....

Pouca-terra, pouca-terra....

Fantasmas do passado...

Um gato especial

De gatos malandros e caix...

Silêncio... nem um som da...

8 minutos de cortar a res...

Ladrar ou não ladrar, eis...

O gato das 7 vidas...

:::noites passadas:::

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

::: links :::

Anastasia
Anime News Network
Astérix et Obélix
BeeHive
Best Anime
Blog da Pimentinha
BRB Internacional
Broadway
Broadway - The Lion King
Catedral
Christian Kurrat
Chuviscos
Misteriosas Cidades d'Ouro
Disney
Disney on Broadway
Do What You Dream
Door to Fantasia
Kemet
Kiss Me Licia
Liquid Experience
Me, Myself and I
Movimentum...
Movimentum 2...
Mulher dos 50 aos 60
NASA
National Geographic
Niekonczaca Sie Opowiesc
per-Bast
Photograhy Directory
The NeverEnding Story
The Temple of Bast
The Universe of Shoujo Manga
Timor Aid
Tintim
TV Series
TV Wunschliste

:::favoritos:::

A nova versão do YMCA!!! ...

Respeito precisa-se...

Que a memória viva para s...

Pouca-terra, pouca-terra....

Fantasmas do passado...

De gatos malandros e caix...

Um gato do contra...

Os Jelicais podem...

Problemas com baratas des...

Hamlet para todos!

:::tags:::

Todas as tags deste blog

subscrever feeds

5euromails.com